domingo, janeiro 07, 2018

Por que foi Batagglia discriminado?

Prepare-se desde já a douta opinião pública para a próxima fornada de correspondência electrónica a ser divulgada na praça. Sim, é urgente avisar as boas consciências de que o melhor, o suprassumo, agora é que está mesmo, mesmo a chegar. E que grande estardalhaço cívico vai produzir a difusão de todo manancial de conteúdos trocados entre a malandragem do costume e os seus capangas diletos na preparação do dérbi de quarta-feira passada no Estádio da Luz. Material mais fresco, está visto, não poderia haver. Preparem-se.
Teremos todos, muito em breve, provas irrefutáveis de que o Benfica não só encomendou ao árbitro Hugo Miguel uma arbitragem escandalosamente anti-caseira – com o intuito perverso de ‘disfarçar’ o seu imenso poderio no sector do apito – como também aliciou quatro jogadores do Sporting – Fábio Coentrão, Piccini, William Carvalho e Batagglia – para, por esta ordem, jogarem a bola com a mão na sua área de modo a que Hugo Miguel e o vídeo-árbitro fossem dispondo de capitosas oportunidades para exibir todo o seu falso anti-benfiquismo primário. Ou seja, tudo não passou de uma encenação maquiavélica como o futuro se encarregará de demonstrar.

Dizem os jornais que, no fim do jogo, Battaglia foi visto a chorar na cabina. Sentiu-se discriminado. E tinha razão o simpático jogador argentino. Com que direito apitou Hugo Miguel para a marca de grande penalidade aos 89 minutos do jogo no momento em que Battaglia, confiantemente, desviou com a sua mão a bola rematada por Rafa? Não era nada disso que estava combinado como o provará a catrefada de emails que, de fonte segura, já vem a caminho.

O que tem a mão de Battaglia a mais ou a menos do que a mão de Fábio Coentrão, a mão de William Carvalho ou a mão de Piccini? Que culpa teve Battaglia de que Hugo Miguel tivesse falhado a missão para que foi seduzido pelo Benfica: prejudicar o próprio Benfica nas decisões capitais como prova de que o Benfica, afinal, não manda nisto tudo? O que se passou na Luz foi o maior atentado à igualdade de critérios em mais de um século de futebol em Portugal. Não havia o Battaglia de chorar…

Assim vai, tristemente, o futebol português. Já nem na igualdade de critérios se pode confiar. E foi, precisamente, o que fez Battaglia ao minuto 89. Confiou na igualdade de critérios do árbitro, na igualdade de critérios do vídeo-árbitro, confiou na impunidade perversamente pré-concertada pelo Benfica para se poder ‘fazer de vítima’ – lerão tudo nos próximos emails – e confiou até no desacerto de Jonas no que dizia respeito a meter golos aos rivais.

Mas, por mais incrível que pareça, Jonas desta vez acertou com a bola nas redes da baliza de Rui Patrício o que leva a suspeitar se o próprio Jonas não terá sido também aliciado por terceiros para que o resultado fosse um empate. Tudo se saberá a seu tempo. Haja paciência.



Leonor Pinhão @ record

Sem comentários: