segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Operação Fónix

Por nada ter a ver com futebol, esse jogo lindo, não cabe justamente em nenhuma divagação pelas páginas da imprensa desportiva o julgamento dos 54 arguidos do caso judicial consagrado como Operação Fénix que se refere a coisas como a utilização ilegal de seguranças privados, coação, associação criminosa, ofensa à integridade física qualificada, extorsão, tráfico e outras beldades que tais. Nem a eventualidade de haver um qualquer presidente de um clube de futebol entre o ramalhete de acusados pelo Ministério Público justificaria o mínimo interesse pelo assunto por parte de quem gosta de futebol e de quem escreve sobre futebol.

Sobre a Operação Fénix estamos conversados, não metendo bola não há nada a dizer. Quanto à Operação Fónix já o caso muda de figura. A Operação Fónix trata exclusivamente de futebol, esse jogo incrível, e por isso mesmo justifica umas quantas, poucas, considerações sobre a matéria legitimamente em apreciação. Com o campeonato a entrar no seu último e decisivo terço, estando ao rubro as emoções, não espanta a reacção de muita gente fraca dos nervos ao dar conta da renomeação do juíz de campo mais querido do CA para os desafios longe da Luz que constam do calendário do actual líder da prova maior. - Fónix!- exclamou em uníssono, o vasto público ao tomar conhecimento da decisão do Conselho de Arbitragem, ou melhor ainda, da aposta do Conselho de Arbitragem na figura original do árbitro-cativo para os jogos fora do Benfica. É que depois de ter estado em Faro vai estar agora em Braga, a próxima deslocação do tricampeão nacional. E se as coisas correm de feição, quem sabe se o árbitro-cativo não estará daqui a 15 dias na Vila da Feira? - Fónix! - exclamarão, outra vez, os mais exaltados e os mais supersticiosos perante a insistência nos juízos do mesmo apito no que ao Benfica diz respeito. E assim se viu popularmente desvendado o nome da operação que terá nascido no pacato decorrer daquele raide à Maia em que Artur Soares Dias se viu confrontado com uns quantos estranhos com péssima maneiras e com direito a cobertura televisiva em directo. - Fónix!- exclamou, com toda a propriedade, o árbitro, Soares Dias, que anda agora a apitar pelo estrangeiro. Pudera...

E foi assim que nasceu a Operação Fónix em curso. Também há quem lhe chame a Operação Fónix Renascida em curso mas isso, com toda a franqueza, também já não é futebol.


Fonte: Leonor Pinhão @ record


Sem comentários: