sábado, novembro 26, 2016

A Europa e a 2ª Circular

A Europa a que pertencemos tem o condão de nos elevar das discussões rasteiras de cuspo e de alguidar para outras de maior dimensão intelectual que até nos obrigam a fazer não só análises históricas como a fazer também, mais difícil ainda, contas de somar e de subtrair sem recurso a maquinaria pesada. Observem-se os casos das prestações dos dois rivais da cidade de Lisboa na recente jornada da Liga dos Campeões. Um deles perdeu e o outro empatou. Curiosamente, tem-se vindo a revelar nas discussões generalizadas após os dois encontros que são bem mais cruéis os adeptos do Benfica para a sua equipa face ao empate na Turquia do que os do Sporting face à derrota em Alvalade. 

Enquanto os sportinguistas celebram vibrantemente a quarta derrota no Grupo a que pertencem, já os benfiquistas destratam sem piedade o seu treinador, jogadores e demais pessoal auxiliar pelo solitário pontinho que trouxeram do campo do Besiktas. A arte de transformar derrotas em vitórias e a não menos exclusiva arte de transformar empates em derrotas vão de vento em popa na Segunda Circular. Mas são, sem dúvida, sem cabimento todas as conclusões avançadas antes da jornada final desta fase de grupos que tudo vai decidir com tristeza para uns e alegria para outros. Ou com alegria para todos. Ou antes pelo contrário, o que também não é nada inverosímil face à complexidade das circunstâncias. 

Compreende-se, sem rebuço, a alegria nas bancadas de Alvalade perante mais uma derrota tangencial contra os campeões europeus de clubes. Comparando, por exemplo, a produção da sua equipa com a do poderoso At. Madrid que, ainda no último sábado, se viu goleado em casa pelo mesmo adversário, muito fez o Sporting na terça-feira passada. 

O que desgosta o Benfica e os benfiquistas é também um problema de comparação. Enquanto o Sporting se mede com o At. Madrid e sorri, o Benfica compara a absolutamente ridícula marcha do marcador da sua viagem à Turquia com a absolutamente ridícula marcha do marcador da última viagem do Sporting a Guimarães e não consegue deixar de encontrar uma similitude altamente embaraçante. 

Dizem os benfiquistas mais fiéis e empedernidos que é menos patético consentir 3 golos e o empate em 32 minutos, como lhes aconteceu em Istambul, do que permitir 3 golos e o empate em 17 minutos, tal como aconteceu aos rivais no Berço da Nacionalidade. E até fazem contas. Como 32 minutos menos 17 é igual a 15, foi um quarto de hora menos burlesco o nosso 3-3 do que o 3-3 alheio. Lindo consolo para quem não arrumou o assunto como lhe competia. 


Vieram de Espanha as últimas notícias do universo paralelo  
A Real Madrid TV assinou uma interessante reportagem sobre o regresso de Cristiano Ronaldo a  Alvalade – onde, na realidade, só fez um jogo na sua carreira com a camisola do Sporting – e, uma vez mais, não houve quem não ficasse surpreendido com as peculiaridades do mundo especial, muito especial mesmo, que se reflete nos sempre buliçosos corredores do referido recinto desportivo. 

Como se não bastassem os 4 títulos de campeão nacional que Bruno de Carvalho, sozinho, conquistou na década de 20 do século passado, há mais um título levado de vencida, o da época passada ao que parece, e celebrado num oportuno mural: "Saúda o Campeão!" grita a felicíssima parede para um Cristiano Ronaldo que, de tão espantado que ficou, nunca conseguiria entrar plenamente em jogo na noite da última terça-feira. 

Teve de vir a Real Madrid TV a Portugal para conhecermos as últimas notícias daquele universo paralelo onde todos os dias progride um Sporting vagamente desconhecido na nossa dimensão.


Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: