sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Quem fala assim não é gago nem gaga

Caros e caras leitores e leitoras,

Como todos aqueles e todas aquelas que têm estado empenhados e empenhadas no uso de linguagem inclusiva bem sabem, há reaccionários e reaccionárias que persistem em falar e escrever com evidente desrespeito pelo nosso esforço. Esses e essas, é importante dizê-lo, não manifestam, com tal comportamento, uma mera discordância linguística: são verdadeiros inimigos e verdadeiras inimigas da igualdade de género. Aqueles e aquelas que são suficientemente teimosos e teimosas para não se conformarem ao novo modelo bem podem alegar que isso não faz deles e delas obstinados adversários e obstinadas adversárias de uma sociedade mais igual. Não é verdade. Podem dizer que também sonham com uma sociedade mais igual mas menos ridícula. Não nos convencem. Bem sei que alguns e algumas linguistas têm chamado a atenção para o facto de haver uma diferença entre género gramatical e sexo biológico, mas estão errados e erradas. Quando afirmam que a gramática não é responsável pelo machismo não estão a ser apenas ingénuos e ingénuas: estão a agir como criminosos e criminosas. O nosso projecto, ao contrário do que dizem os mal intencionados e as mal intencionadas, não é coisa de fanáticos e fanáticas. É uma tentativa de endireitar o mundo, sintagma nominal a sintagma nominal, sintagma verbal a sintagma verbal.

O ideal era termos um idioma em que as palavras não tivessem género, como a língua persa, falada no Irão, Tajiquistão e Afeganistão. Um facto que talvez explique os notáveis progressos em matéria de igualdade de género que esses países registam. Por cá, teremos de ficar satisfeitos e satisfeitas com esta língua enjeitada, que tem problemas difíceis de resolver. Por exemplo, como tornar inclusiva a frase “O João e a Maria foram juntos ao cinema”? A palavra “juntos”, no masculino, oprime obviamente a Maria. Mas a frase “O João e a Maria foram junto e junta ao cinema” parece ser agramatical. Só vejo uma solução: que o João e a Maria não vão ao cinema. Pelo menos até que estejamos habilitados e habilitadas a encontrar uma forma de eles poderem assistir a filmes em liberdade e segurança.


Os ingleses e as inglesas obtiveram há pouco tempo uma conquista importante: o metro deixou de saudar os passageiros e as passageiras dizendo “Good morning, ladies and gentleman”, ou seja, “Bom dia senhoras e senhores”, e passou a dizer “Good morning everyone”, isto é, “Bom dia a todos”, para não excluir as pessoas que não se identificam como homem nem como mulher. O problema é que, em português, a frase “Bom dia a todos” (que era, se bem estamos lembrados e lembradas, a forma primitiva de “Bom dia a todos e todas”) exclui os mesmos indivíduos. Para superar essa dificuldade, a filósofa brasileira Marcia Tiburi acaba de editar o livro “Feminismo em comum para todas, todes e todos”. Percebendo bem que a formulação “todos e todas” não era completamente inclusiva, Tiburi acrescentou a forma “todes”.

Só dizendo “todes” conseguimos incluir toda a gente (por enquanto). O que significa que os algarvios e as algarvias sempre foram inclusivos e inclusivas, mesmo sem o saberem. Um abraço para esse povo. Quem fala assim não é gago. Nem gaga.



Fonte: Ricardo Araújo Pereira @ Visão

Sem comentários: