sexta-feira, julho 14, 2017

Uma questão de reputação

Como se tem vindo a provar, e com provas abundantes, não deverá valer grande coisa o departamento de informática do Benfica. Já o departamento de marketing continua a dar cartas com um descaramento que deixa atónitos os seus adversários. Depois do êxito que foram os cachecóis "Colinho" e "A culpa é do Benfica", o marketing da Luz vende agora lugares no estádio lançando uma campanha inspirada nas emissões do Porto Canal que tiveram por tema a questão dos e-mails. É este o sumptuoso descaramento que desespera a operosa fábrica de insultos que entrou em funções de dois turnos quando o Benfica se viu bicampeão, de três turnos no momento em que o Benfica se viu tricampeão e de quatro turnos em maio. Se o Benfica for pentacampeão ninguém sabe o que poderá acontecer porque não há turnos que cheguem para tanta função. 

A estratégia do marketing do Benfica é claríssima. Trata-se de desvalorizar os ataques externos ridicularizando-os em termos funcionais de modo a que a sua utilização pelo "inimigo" provoque sorrisos no lugar de suscitar acabrunhamento ou fúria. Nesta última campanha é, no entanto, mais flagrante a ridicularização do sotaque "à Porto" do comunicador oficial do Dragão do que, propriamente, a ridicularização da capitosa questão em si que trata de hipotéticos ou não hipotéticos e-mails suficientemente embaraçantes para o bom-nome do Benfica ainda que tenham sido, como tudo indica, gamados. 

Seguindo, obrigatoriamente, com atenção redobrada a estratégia do marketing da Luz terão pensado os responsáveis pela recente Gala do Sporting que a melhor maneira de acabar de uma vez por todas com o epíteto negativo que se "colou" à definição da sua própria festa por iniciativa do seu próprio presidente – "a p… da gala" – seria abrir a sessão com um exorcizante "bem-vindos à p… da gala" tal como veio a suceder. Mas terão exorcizado alguma coisa? Duvida-se. A grande e fulcral diferença entre as estratégias dos marketings da Segunda Circular é que o Benfica, com a sua coleção de cachecóis e de vídeos, achincalha os ataques (externos) enquanto o Sporting entendeu que achincalhar o ataque (interno) movido pelo presidente do clube numa conversa alegre com jornalistas teria, exatamente, os mesmos efeitos práticos. Mas não, não teve. Antes pelo contrário, só piorou a reputação pública da dita Gala. Resta saber se ainda veremos a curiosa frase de boas-vindas da soirée impressa e à venda em cachecóis verdes oficiais. Ou em cachecóis vermelhos do outro lado da rua porque seria, aí sim, mais um estrondoso êxito comercial. 



Vídeo-árbitro é a melhor invenção desde a invenção das balizas 
A seleção saiu da Rússia com o 3º lugar do pódio da Taça das Confederações – bem bom para quem não vive habitualmente nestes patamares competitivos - e com a alegria de poder voltar a casa clamando bem alto: o vídeo-árbitro foi a melhor coisa que se inventou para o futebol desde a invenção das balizas! E porquê? Porque só nesta competição-relâmpago os portugueses viram os meios tecnológicos que vão impor à força a verdade desportiva perdoar-lhes duas grandes penalidades tão descaradas que até meteram dó. 

Aconteceu nos jogos com o Chile e com o México terem José Fonte e Pepe cometido infrações na nossa área que passaram incólumes pelo crivo do vídeo-árbitro internacional. Também no jogo da final escaparam os chilenos a uma grande penalidade tão óbvia que foi assunto de conversa à escala planetária. O que o vídeo-árbitro acrescenta ao futebol são mais uns quantos nomes de árbitros-sentados que serão tão ou mais insultados do que os árbitros-em-pé. Uma animação.




Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: