sábado, maio 14, 2016

É com IVA ou sem IVA?

A quantidade de antigos jogadores de futebol – quase todos internacionais e de primeira água – que têm admitido alegremente que "no seu tempo" houve malas para lá e malas para cá nas jornadas decisivas de muitos campeonatos – quando eram legítimas essas ações generosas – faz-nos pensar que nos dias de hoje, já com o século XXI bem entrado, terá ocorrido um lamentável regresso à idade da pedra no que respeita aos hábitos e aos costumes do futebol português que, desconfia-se, não terão acompanhado o progresso e, muito menos, a legislação. Os regulamentos disciplinares em vigor proíbem agora esses subsídios ao esforço suplementar e até os pune com multas que vão dos 12 mil aos 25 mil euros. 

A insignificância do volume das multas perante a alegada significância do volume das malas e os objetivos a que se propõem os maleiros justifica-se, não como uma sanção dissuasora, mas como uma espécie de IRS que a Liga de Clubes pretende cobrar porque, em nome da verdade desportiva, ou há moralidade ou comem todos. Esta semana foi o apagado presidente da Liga posto em confronto pelos jornalistas com todo este ruído. 

Pedro Proença pediu beatificamente "tranquilidade e capacidade de contenção" a todos os protagonistas deste cavernoso episódio, real ou surreal, que transforma jogadores profissionais em mercenários aos olhos do público que é quem paga bilhete e, por isso mesmo, devia ser respeitado. Ou seja, pediu contenção no que ao folclore mediático diz respeito mas não pediu, nem sugeriu, a observância dos regulamentos que se comprometeu a defender. 

Desconhece-se, neste momento, se o Benfica – o aparente lesado – participou oficialmente à Liga de Clubes as suas suspeitas sobre a origem da motivação dos últimos adversários que, é verdade, choram compulsivamente quando falham golos e perdem o juízo quando os resultados não se lhes afiguram de feição, como se tem visto. Ou se o Benfica, alinhando no chinfrim destes tempos, se limitou a fazer do assunto mais um carnaval para disparar em flecha as tiragens dos jornais e as audiências de TV. 

Terá de ser a Autoridade Tributária a intervir, está mais do que visto, para repor a moralidade no caso das malas. São 200 mil ou são 600 mil de acumulados? Vossas Excelências, passam fatura? E é com IVA ou sem IVA? E quanto terão de pagar de IRS – sobre 100%? – os beneficiários deste bodo anónimo? É que pode haver dinheiro por fora no campeonato português mas a nossa pobre economia não consente, não pode consentir, dinheiro por baixo da mesa porque, assim, o país nunca mais recupera. 



Outras histórias 
Guarda-redes e cientistas da bola 
Que "vaca" teve, afinal, o Benfica quando lhe saiu o Bayern?  
Jan Oblak é de outro mundo. Aliás, há cada vez mais guarda-redes de altíssima categoria. E não é por geração espontânea que surgem a toda a hora guarda-redes notáveis. É o trabalho intenso, o treino especializado que transforma jovens promissores em "keepers" superdotados. O Atlético de Madrid deve a Oblak o apuramento para a final da Liga dos Campeões. O esloveno só foi traído no golo (insuficiente) do Bayern por um desvio da bola. 

De resto, defendeu tudo. Até uma grande penalidade e a respetiva recarga o ex-benfiquista defendeu. Os benfiquistas teriam preferido, no entanto, que Oblak tivesse defendido uma grande penalidade (ou mesmo duas) na final da Liga Europa com o Sevilha há dois anos, não é verdade? 

Mas a grande hora europeia de Oblak chegou na terça-feira, o Bayern ficou pelo caminho e não faltará quem conclua que até na Liga dos Campeões teve o Benfica uma "vaca" incrível porque, afinal, o Bayern de Munique não valia nada. São os cientistas da bola. 



Sobe e Desce 
Sobe 
Ederson - Guardar os pontos 
O jovem guarda-redes do Benfica guardou os 3 pontos no jogo com o Vitória de Setúbal e voltou a guardar os 3 pontos no jogo com o Guimarães. Decisivo Ederson. 

Casillas - Entregar os pontos 
Da série de "frangos" com que vai deixar a sua marca na Liga portuguesa, o último, concedido frente ao Sporting, terá sido o mais mediático e espetacular. 


Desce 
Matheus - Ponto rebuçado 
O guarda-redes do Sporting de Braga contribuiu para a presença do Benfica na final da Taça da Liga com um "pontapé na atmosfera" que fica para a História. 



Pérola 
"Treinar o FC Porto é uma oportunidade que honra qualquer treinador", Carlos Queiroz


Fonte : Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: