sexta-feira, abril 29, 2016

Viva o voto transparente

Angelino Ferreira, antigo administrador da SAD do Porto, explicou aos jornais a sua curiosa participação no recentíssimo ato eleitoral que reconduziu, pela enésima vez, Pinto da Costa na presidência do clube. O antigo responsável pela área financeira dos azuis-e-brancos, que anda de candeias às avessas com a cúpula daquela instituição, disse, e com grande naturalidade, que tendo dado conta de que "o voto não era secreto" – como julgava… - agarrou nos boletins de voto e levou-os para casa. 

A observação do segredo de voto estará, certamente, consignada nos estatutos do clube. E, assim sendo, caberá apenas aos sócios do Porto interessarem-se ou não por este tema eleitoral que lhes diz respeito. É o seu problema e de mais ninguém. O que já é de interesse geral é saber-se se o voto do antigo diretor, que de secreto não teve nada, contou para alguma coisa. Se, por exemplo, foi registado. Se figurou nos resultados finais divulgados no princípio da noite do último domingo. 

E se o voto de Angelino Ferreira contou, sabendo-se que o referido sócio- -eleitor levou os boletins para casa, terá sido contabilizado a favor da reeleição do presidente? Ou contra? Ou contou como nulo? Ou foi estimado como um voto em branco que não é bem a mesma coisa de que um cheque em branco? 

Em boa verdade, deveria ser contado como voto não-branco mas sim transparente tendo em conta que nunca foi encontrado, que ninguém viu os boletins de Angelino Ferreira quando as urnas, supõe-se, foram abertas depois do último inscrito nos cadernos eleitorais ter exercido o seu direito. 

O processo eleitoral da 13ª eleição de Jorge Nuno Pinto da Costa pode ter tido peculiaridades. Esta de se levarem os votos para casa em sinal de protesto é, sem qualquer espécie de dúvida, uma originalidade nunca vista em sufrágios por esse mundo fora. 

Nada se compara, no entanto, em novidades à entrevista que Pinto da Costa concedeu, muito contrariado, ao Porto Canal poucos dias depois do ato eleitoral. Ouvir o presidente do Futebol Clube do Porto, emblema que arrecadou títulos atrás de títulos ao longo de décadas, afirmar muito compenetrado que ser campeão "não é uma obsessão para o Porto como assumiu este ano o Sporting" pode ajudar a explicar a medíocre prestação da equipa comandada por Julen Lopetegui/José Peseiro ao longo desta temporada. 

Foi de propósito, está visto, que o Porto desistiu da luta com o Benfica. Por isso mesmo Angelino Ferreira, incrédulo, levou os votos para casa. E levou-os de propósito para os emoldurar. 



Outras histórias 
Questões prementes da modernidade 
Pode o vídeo-árbitro declarar-se semi-humano quando erra? 
Para Augusto Inácio não é fruta. É pão, pão, queijo, queijo. "Com o vídeo-árbitro o Sporting estaria à frente no campeonato". Disse-o na jornada inaugural do Congresso Internacional Futuro do Futebol que se realizou esta semana. E onde? No Estádio de Alvalade sob a égide da modernidade que se pratica naquele recinto no que toca – e toca que se farta… – a árbitros "ao vivo". Depreende-se que, para o diretor do Sporting, o vídeo-árbitro é uma entidade celeste que não hesitaria em abençoar o penálti com que o Sporting conseguiu vencer em Arouca. E em benzer o histórico lançamento lateral de João Pereira no jogo da primeira volta com o Tondela. E em ungir o golo de Slimani que deu a vitória ao Sporting no sábado passado em Moreira de Cónegos. Os árbitros do passado eram humanos e erravam, coitados. Mas poderá o vídeo-árbitro do futuro, à laia de atenuante, declarar-se semi-humano quando errar? Foi para discutir estes temas bem modernos que Alvalade reuniu um Congresso. 



Sobe e Desce 
Sobe 
Paulo Pereira Cristóvão - Reputação em flecha 
O Ministério Público acusou o ex-dirigente do Sporting de "corrupção ativa" num caso que envolve 196 árbitros de futebol. Nenhum é vídeo-árbitro, felizmente... 

Jonas - A pedir colinho 
Jonas fez o empate com o Vitória e pediu o colinho da Luz para levar a equipa ao triunfo. O Benfica ganhou mas não ganhou para o susto por falta de fôlego. 


Desce 
Arnold - Choro justificado 
O avançado do Vitória teve nos pés o golo nos instantes finais do jogo com o Benfica. Falhou. Saiu lavado em lágrimas. Muitas lágrimas mesmo. Compreende-se. 



Pérola 
"O Sporting tem de engrossar a voz", Bruno de Carvalho 


Fonte: Leonor Pinhão @ Correio da manha



Sem comentários: