quinta-feira, dezembro 10, 2015

República das maçãs

Imagine o leitor que o sr. Timóteo possui uma mercearia. Até aqui, o esforço de imaginação não é demasiado exigente: nada impede que um senhor chamado Timóteo possua uma mercearia. Antes pelo contrário. Normalmente, as mercearias são propriedade de senhores dos quais sabemos apenas o primeiro nome. Os escritórios de advogados, por outro lado, costumam pertencer a pessoas que têm apenas apelidos. (Costa Fernandes e associados, por exemplo. Sendo que nenhum dos associados tem também, muito provavelmente, um nome próprio.) Ou seja, a mercearia do sr. Timóteo é um negócio plausível, mesmo que não seja viável. Mas agora imagine que, após receber nova e importante remessa de bananas, o sr. Timóteo convoca uma conferência de imprensa. O encontro com os jornalistas, que enchem a sala, decorre num teatro. No palco, o sr. Timóteo descreve as novas bananas. São praticamente idênticas às anteriores, só a cor é ligeiramente diferente. Não interessa: os jornalistas tomam notas que serão preciosas na altura de escrever uma notícia sobre as novas bananas do sr. Timóteo.

Chegado a este ponto, o leitor sentir-se-á justamente defraudado. Foi levado a imaginar uma situação absurda da qual nada resultou. Peço-lhe só mais um bocadinho de paciência. Imagine agora que o sr. Tim possui uma fábrica de zingarelhos. E que, após receber nova e importante remessa de zingarelhos, convoca uma conferência de imprensa. Não é preciso imaginar: acontece todos os anos. Da última vez que o sr. Tim apresentou zingarelhos aos jornalistas, o Expresso online escreveu uma notícia intitulada “Rosinha, a nova cor do iPhone”. O primeiro parágrafo dizia: “O ritual anual dos novos iPhone está cumprido: o 6s e o 6s Plus já foram apresentados. Em geral são praticamente idênticos à geração anterior (…)”. Repare que os novos iPhone do sr. Tim são, tal como as bananas do sr. Timóteo, “praticamente idênticos” aos anteriores. Sabendo que há, em princípio, mais consumidores de bananas do que de iPhone, por que razão merecem as bananas do sr. Timóteo menos atenção da imprensa do que os zingarelhos do sr. Tim? Porque é que falar das bananas do sr. Timóteo é publicidade e falar da maçã do sr. Tim é jornalismo tecnológico? O leitor talvez contraponha: “Bom, os telefones vão mudando de modelo para modelo; as bananas são iguais ao que sempre foram.” O leitor é um bocadinho teimoso. Acabei de lhe demonstrar que os telefones também mudam pouco ou nada. Sem querer usar um argumento de autoridade, sou no entanto forçado a lembrar que, recentemente, Cavaco Silva registou uma evolução bastante significativa nas bananas da Madeira, quando disse ao presidente do governo regional, e cito: “Agora vocês têm uma banana maior e mais saborosa.” O Presidente da República está rodeado de assessores, conselheiros, especialistas. Não se pronuncia sobre os assuntos sem estudar em profundidade os dossiês. Este novo modelo de banana está muito bom. A maçã do sr. Tim está na mesma. Há que repensar o jornalismo hortofrutícola.

Fonte: Ricardo Araújo Pereira @ Visão

Sem comentários: