quinta-feira, dezembro 18, 2014

Um Brahimi não vale uma Torre de Lopetegui

Se para alguma coisa haveria de servir a imponente estrutura de sete metros na vertical que Lopetegui mandou erguer no campo no Olival para, lá do alto, semi-divino, observar a evolução de “los chicos”, serviria muitíssimo bem para, postada à frente de Maxi Pereira, impedir que o tal lançamento de linha lateral resultasse em golo.
Se alguma utilidade prática um dia se iria descobrir para o objecto em aço inoxidável plantado no relvado de modo que os jogadores passam o tempo a esbarrar naquilo que, ainda assim, deve ter custado uma pipa de massa, descobrir-se-ia que com um campanário daquela envergadura a dois metros de distância jamais Maxi Pereira conseguiria fazer a bola por si arremessada chegar ao coração da área e à anca de Lima.
Se um qualquer destino grandioso de fulgor tecnológico e de benefício estava reservado para a Torre de Lopetegui pela sua altura de majestade, desperdiçou-se a ocasião ao minuto 35, o minuto em que alguém da casa com autoridade na matéria, querendo legitimamente ver rentabilizado o projeto metálico e querendo ao mesmo tempo ganhar o jogo, deveria ter gritado da tribuna presidencial para o relvado:
- Julen, tira o Brahimi e mete mas é a tua torre à frente do Maxi!
É que, numa circunstância daquelas, um Brahimi não vale uma Torre de Lopetegui.


Confirmou-se, quase na plenitude, o difícil que é jogar para a Europa a meio da semana e jogar em Portugal uns poucos dias depois. 
Das cinco equipas portuguesas que estavam ainda nas competições da UEFA na semana passada apenas o Benfica, que já se despediu dessas bonitas andanças internacionais, conseguiu vencer o seu jogo a contar para o nosso campeonato.
O Rio Ave e o Estoril, que também já estão fora da UEFA onde nem fizeram má figura, foram no fim-de-semana empatar a Guimarães e ao Funchal, o que nem é mau de todo tendo em conta as suas respetivas e legítimas pretensões internas.
Já o Sporting, que segue para a Liga Europa, só conseguiu arrancar um precioso e muito festejado empate em tempo de compensação no seu jogo caseiro com o insolente Moreirense.
Quanto ao Porto, que segue para a Liga dos Campeões com o seu “plantel de luxo”, perdeu o seu jogo caseiro a contar para o campeonato porque, porventura distraído com as suas glórias internacionais ou imbuído do espírito da tão celebrada “aliança”, abdicou de montar aquele sempre profícuo clima saudável de confrontação nas vésperas do encontro. 
Esse suposto e inaudito desconchavo político e institucional, tão criticado nos dias seguintes por gente de altíssima categoria, teve, naturalmente, consequências. E grandes.
Ao ponto de o árbitro nem se ter sentido na obrigação de validar, como era da tradição, a Jackson Martínez aquela única bola que o colombiano fez entrar na baliza de Júlio César depois de a ter ajeitado para o pé com a mão.
Lamentável anulação de um golo irregular, francamente. Com o melhor árbitro do mundo em campo, meus amigos, outro galo cantaria. Enfim… 
Cabe agora aos vencedores do jogo do Dragão não confundir os 6 pontos que levam de avanço com a ideia absurda de que está garantida a revalidação do título. 
E cabe aos vencidos, por amor à retórica sem dor, continuar a cantar loas ao actual “plantel de luxo” confundindo-o com o já desaparecido “plantel do Lucho”, que sempre era outra música.


Esta é a semana de Jorge Jesus ser bestial. Há semanas assim na vida de um treinador. Jesus que até subiu ao relvado do Dragão com as orelhas a arder. “Ardem-me tanto as orelhas”, confidenciou Jesus a Pietra, em voz muito baixa para não alarmar ninguém, enquanto se dirigiam para o banco antes do jogo começar.
Pietra, grande conhecedor da alma benfiquista, explicou-lhe com a maior calma do mundo: “É o pessoal todo furioso contigo por meteres o Lima e não meteres o Jonas.” 
Ao que Jesus, encolhendo os ombros, logo respondeu a Pietra olhando-o de soslaio: “Ah, é por causa disso? Então já passa e não tarda nada.” 
E, mais uma vez, não se enganou.


Júlio César esteve em excelente plano no domingo. O guarda-redes brasileiro tem contrato por duas temporadas e muito gostaria de o ouvir dizer em Junho de 2016, quando terminar o seu vínculo com o Benfica e, provavelmente, a carreira:- Comecei no Flamengo onde fui campeão e termino no Benfica onde fui campeão. Entre estes dois colossos joguei uns anitos em Itália e também por lá ganhei umas coisas…
Sonhar é bom.


Tenho vindo a dar conta de que a derrota do Porto frente ao Benfica, que é sempre notícia, provocou e provoca maiores enguiços de alma e maioríssimos prantos de revolta entre os sportinguistas do que, como seria natural, entre os portistas.E aproveito para os avisar:
Amigos portistas, vejam bem como esta “aliança” com o Benfica vos é contra-natura. É o Sporting que é o vosso grande amigo, não duvidem nem por um segundo.
De portistas anónimos, conhecidos e amigos, obviamente tristes com o resultado, ouvi dar os parabéns aos vencedores, ouvi as inevitáveis críticas ao treinador e constatei uma indisfarçável irritação com Brahimi por o argelino, segundo dizem, já estar “com a cabeça noutras paragens” para além de umas outras leves irritações com uns quantos dos seus jogadores. 
Com toda a franqueza vos confesso que, vindo de um portista, foi isto o mais insultuoso que ouvi na noite de domingo:
- Olha, resumindo, o Benfica parecia o Porto e o Porto parecia o Sporting!
O que não deixa de ter a sua grande graça pelo que nem insulto se pode considerar. Eu, pelo menos, não considero.
A outro portista, meio a sério e meio a brincar, ouvi acusar o seu treinador pela campanha impecável na fase de grupos da Liga dos Campeões:
- Este é que era o nosso ano de estarmos na Liga Europa e nem a Liga Europa este ano podemos ganhar!
O que tem a sua lógica, ainda que derrotista. Convém lembrar a todos os interessados que o campeonato nacional está longe de estar entregue a quem, quer que seja quando ainda há 63 pontos por disputar e que a própria Liga dos Campeões ainda não tem vencedor embora tenha alguns fortes candidatos.
Já a amigos e a conhecidos sportinguistas ouvi coisas de outro jaez, mais sofrido, mais inconformado. A um até ouvi dizer que a vitória no Dragão tinha sido do Sporting porque “o Jesus é um sportinguista doente” e o que conta nestes jogos “é o treinador” pelo que, “uma vez mais” o Benfica “beneficiou, sabe-se lá como, de 3 pontos caídos do céu sem fazer nada por isso”.
Eu respeito todas as opiniões. Mas uma coisa é certa: se Jorge Jesus for mesmo um sportinguista doente, como dizem, nesse caso é o único sportinguista doente que não ficou doente esta semana.


Pinto da Costa foi visitar à prisão o ex-primeiro ministro. Que bom. É que, muito simplesmente por não gostar de ver o envolvimento de símbolos do meu clube com a política e com a justiça, fiquei um bocadinho incomodada com a visita dos populares adeptos benfiquistas, “Barbas” e Jorge Máximo, ao ex-primeiro ministro detido. Respeitando, como é óbvio, todas as vontades e sem fazer juízos morais.
Agora com a visita de Pinto da Costa pelo menos neste capítulo já estamos empatados. Que alívio.


Fonte: Leonor Pinhão@A Bola

Sem comentários: