quinta-feira, maio 07, 2009

Benfica ainda se comporta como um «grande»?

"O Benfica está mais perto do quarto classificado do que do líder. A frase não traduz o olhar distraído para a tabela deste campeonato, é o resultado da análise das edições da prova no século XXI.
Se a história e o número de adeptos não permitem duvidar de que Benfica, F.C. Porto e Sporting são «grandes» e todos os outros «pequenos», os números das últimas dez edições da Liga apontam outra tendência."

É um critério demasiado largo querer comparar a historia recente do fcp e o escasso palmares e presença nas competições do sporting, com o historial do Benfica.

"Pontos
F.C. Porto, 717
Sporting, 659
Benfica, 638
Clube classificado em quarto lugar ou acima do Benfica*, 576

No entanto, o clube de Alvalade tem conquistado vantagem desde que os «encarnados» foram campeões, em 2004/05. A diferença vai já em 21 pontos."

Curiosamente o sporting tambem esta mais proximo do terceiro classificado do que do 1º e nada se sabe o que possa ter ganho desde 2000/01. É igualmente esquecido (?) que o Benfica tem conquistado mais pontos nas competições europeias nos ultimos anos, do que os outros grandes.

É interessante manipular os numeros de forma a que nos deem os resultados que pretendemos, mesmo que tenhamos que desvirtuar a realidade dos factos.

É preciso criar noticias e a melhor fonte continua a se ro Benfica, pois é a marca que mais rende.

Podem ler um artigo de opinião encomendado : MaisFutebol

2 comentários:

Tiago disse...

Este pseudo jornalista já merecia perder o cargo que só o tem para defender interesses de terceiros.

http://www.ipetitions.com/petition/luissobralpequeno/index.html

Rui Miguel Soares disse...

O facto do Benfica ser grande, ve-se pelas capas dos jornais, em que diariamente tem de sair sempre uma noticia sobre o Benfica.
Na ausencia de noticias, inventa-se ou cria-se artigos de opinião.

Já não é o primeiro jornalista que tenta brincar com numeros, já o Rui Santos fez o mesmo. Utiliza-se apenas os numeros que interessam e omite-se deliberadamente os outros.
E depois pode-se tirar as conclusões que todos quisermos.

Um copo meio, pode estar quase cheio ou quase vazio.