quarta-feira, dezembro 27, 2017

Escândalo e castigo

O diretor de comunicação do Porto disse que o ‘caso dos e-mails’ é "o maior escândalo de sempre do futebol português". Mas se fossemos a votos quanto a essa matéria e se andasse perto da verdade o que afirmou o antigo guarda-redes do Benfica e do Brasil sobre as preferências clubísticas dos portugueses, logo teríamos que o caso do ‘Apito Dourado’ seria o avassalador triunfador da eleição para "o maior escândalo de sempre do futebol português". Ainda bem que estas desonras não vingam em sufrágios populares. 

É às autoridades judiciais que cabe decidir se é escândalo ou se é crime e são coisas diferentes. Aliás, não é por acaso que o célebre romance de Dostoievski se chama ‘Crime e Castigo’ e não ‘Escândalo e Castigo’. 

O facto de um conjunto de e-mails privados ter sido divulgado pelo Porto Canal e depois disponibilizado através do correio eletrónico de um serviço de dados na Nova Zelândia configurará um crime de ataque informático para uma fação, enquanto para a fação adversária o crime não será propriamente o da devassa mas o do conteúdo dos emails. Já houve no futebol português, e bem recentemente, situações parecidas e que não conseguiram ver-se promovidas do estatuto de escândalo com que foram apresentadas à sociedade ao estatuto de crime que por certo mereceriam. 

Em fevereiro de 2013, um industrioso assaltante levou da sede da FPF os computadores pessoais dos presidentes da direção e da comissão de arbitragem daquele organismo e, entre setembro e dezembro de 2015, uma organização anónima a que se deu o nome de Football Leaks disponibilizou através de um site russo documentação dos três grandes. 

Do Sporting sairia o contrato de Bruno Paulista intermediado pelos angolanos do Recreativo de Caála, do Porto ficou- -se a conhecer a existência de uma joint venture com terceiros para a aquisição ao Marselha do passe de Imbula, que o clube não teria comunicado à CMVM, e do Benfica veio a lume a garantia de receitas dadas na aquisição total do passe de Ola John. 

O Sporting apresentou queixa na PJ por "devassa" e o seu presidente considerou ser aquele "um problema de confidencialidade" afirmando que "alguns dos documentos são verdade", outros "manipulados" e outros "uma mentira". Não muito diferente, na realidade, do atual discurso oficial e oficioso do Benfica sobre a matéria corrente. As pessoas gostariam de ver este caso da pirataria-2017 escrutinado rapidamente pelas autoridades, na forma e nos conteúdos, mas sabem que vão ter de esperar porque os casos originais da pirataria-2013 e da pirataria-2015 ainda estão sabe-se lá onde. É pena. 



Um "momento de tristeza" aqui e outro "momento de tristeza" ali 
O treinador do Benfica esclareceu a multidão benfiquista sobre a importância dos "momentos de tristeza" no caminho dos campeões. Disse até que "os campeões são assim". Mas não são. Os campeões não se podem dar ao luxo de acumular "momentos de tristeza" como se fossem passos obrigatórios. Não são. 

Na Europa, o Benfica somou seis momentos de tristeza que lhe valeram uma humilhação, na Taça de Portugal bastou a tristeza de quarta-feira para os campeões da prova se despedirem e no campeonato, com um momento de tristeza aqui e outro momento de tristeza ali, segue o Benfica a 3 pontos de distância dos líderes. 

Não é muito ponto, tendo em conta o que falta jogar até maio, mas é muito ponto se constatarmos a ineficácia do jogo dos atuais campeões nacionais e o misterioso comportamento-padrão de um Benfica que frequentemente marca, recua e acaba por tropeçar. Aconteceu assim no Bessa, no Funchal, na Luz com o CSKA e quarta-feira em Vila do Conde. É padrão a mais.



Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: