sexta-feira, dezembro 23, 2016

Mariquice linguística

Como, por razões de saúde, não estou presente nas chamadas redes sociais, conto com vigilantes florestais amigos para me manterem informado acerca dos incêndios que vão lavrando por lá. Tendo sido esta semana responsável por um, ainda que de pequena dimensão, desejo aproveitar este momento, em que os indignados não dedicaram ainda a sua indignação a outro alvo, para os indignar ainda mais.

O escritor e crítico literário Eduardo Pitta (EP) comentou certo passo de uma das centenas de entrevistas que tenho dado a propósito do lançamento de um livro. O entrevistador falou--me de uma rábula antiga em que se usavam palavras como "coxo" e "mariconço". E eu disse que esse sketch, bem recebido na altura, hoje seria, provavelmente, considerado inadmissível.

As observações de EP vieram demonstrar que eu tinha mais razão do que pensava. Diz ele: "(.) em Portugal, (.) os homossexuais masculinos dividem-se em três grupos: homossexuais, gays e bichas. (.) não sei o que é um mariconço. (.) Mas RAP lamenta não poder achincalhar os mariconços." Estou a tentar reproduzir com rigor e honestidade as palavras de EP um cuidado que, infelizmente, ele não teve comigo: eu nunca lamentei não poder achincalhar os mariconços (até porque, na verdade, posso e considero, aliás, que todas as pessoas, independentemente da cor, género, religião ou orientação sexual podem ser achincalhadas. Sou pela igualdade).

O sketch em causa, curiosamente, não achincalhava ninguém.

A rábula não tinha (mas talvez devesse ter) a clássica indicação "nenhum mariconço foi magoado durante a filmagem deste sketch", para sossego de todos. Para situar os leitores que têm o bom gosto de não acompanhar o meu trabalho, explico melhor: era uma rábula sobre a enunciação de palavras tais como "coxo", "vesgo", "fanhoso" ou "mariconço", num tipo de discurso a que não deviam pertencer. No sketch, uma personagem não domina certos códigos de linguagem e outra corrige-a. Dito assim parece aborrecido, mas o visionamento da rábula acaba por demonstrar que é mesmo aborrecido.

Ora, hoje não interessa o contexto nem a intenção com que uma palavra é dita: a sua simples enunciação é uma ofensa um achincalhamento. Nos EUA, livros como Não Matem a Cotovia estão a ser banidos dos programas e das bibliotecas por conterem a palavra "nigger". Não importa se o objectivo é denunciar o racismo ou praticá-lo: aquela palavra é interdita.

Este apetite para excluir palavras do espaço público tem várias causas. Vou começar pela palavra "coxo" (embora a comunidade coxa tenha mantido a este propósito o silêncio sensato do costume).

Decidiu-se que pessoas como os coxos são demasiado frágeis para aguentarem o peso da palavra "coxo". Há que almofadar o vocábulo, para os proteger. Talvez o caso mais interessante seja o da palavra "velho".

Para salvar os velhos do opróbrio da palavra "velho", o termo foi substituído por "sénior". Mas este ano, o Departamento de Excelência Inclusiva da universidade do New Hampshire concluiu que substituir a palavra "velho" por um eufemismo poderia indicar que estamos a colocar uma carga negativa na velhice (o que, aliás, é óbvio).

De modo que resolveram banir a palavra "sénior" e reabilitar a palavra "velho".

A palavra "mariconço" é rechaçada por outras razões, entre as quais a seguinte: há uma compulsão actual para a literalidade que leva a que certas pessoas acreditem que as palavras têm um único significado. É um entendimento infantil do funcionamento da linguagem, mas é o argumento de EP: "mariconço" designa um homossexual masculino, e ele só não sabe que lugar lhe atribuir na sua taxinomia de homossexuais. No meu mundo, no entanto, as palavras têm mais do que um significado. Quando digo às minhas filhas que não sejam maricas, não estou a pedir-lhes que não sejam homossexuais masculinos. Elas sabem, aliás, que, se quiserem ser homossexuais masculinos, o pai não se opõe. Do mesmo modo, quando digo que "estou fodido", não pretendo transmitir a ideia de que as relações sexuais são desagradáveis, embora o diga sempre em tom de lamento. Quando a comunidade homossexual escolheu, e bem, adoptar a designação "queer", transformou um insulto num emblema. É uma das características que distinguem as palavras dos actos: uma ofensa pode passar a ser uma honra; um soco nunca deixa de magoar. Quando Mark Ashton organizou o "Concerto dos Pervertidos", não contribuiu para perpetuar a ideia de que a homossexualidade é uma perversão ajudou a destruí-la. Ashton é um herói pessoal porque, na minha qualidade de mariconço, nutro especial respeito por homossexuais que não são dados a mariquices.

Mas, infelizmente, agora vivemos num tempo em que até os escritores parecem ter esquecido que a linguagem é mais complicada do que parece. E isso foi a única coisa que eu lamentei.


Fonte: Ricardo Araújo Pereira @ Visão

Sem comentários: