sábado, agosto 27, 2016

Uma aparição sensacional

Andava há mais de três anos desaparecido, e a sua ausência, feita de mágoa, um enorme transtorno vinha causando entre as hierarquias da sua jurisdição, que era amplíssima. Falava-se já na urgência da sua substituição e cardeais não faltavam a querer-lhe o lugar e a insinuar, em público e em privado, que o seu tempo tinha chegado ao fim. 

Gente precipitada, está-se a ver. Bastaram-lhe 48 horas como antigamente para que todos dessem o dito por não dito e celebrassem uns – e lamentassem outros – este facto indesmentível: Pinto da Costa repontou, emergiu, voltou. 

Ressuscitou do seu limbo de três anos, período em que raramente foi visto ou ouvido a perorar sobre as ocorrências da sua paróquia e das paróquias alheias no que às coisas da bola diz respeito, tendo, porém, aberto uma honrosa exceção por ocasião do categórico triunfo do seu emblema na última edição da Volta a Portugal em bicicleta. 

A sua reaparição aconteceu na noite de terça-feira, no culminar de uma campanha desportiva como há muito não se via: o Benfica empatou no domingo na Luz com o V. Setúbal e, passadas 48 magníficas horas, o Porto foi a Roma dizimar a AS Roma, que, por sua vez, se autodizimara uma semana antes no Dragão e se voltou a autodizimar no Estádio Olímpico da Cidade Eterna. 

É caso para se dizer que o grande reforço do Porto nestes dias finais do mercado de verão não será o pequeno Óliver nem o grande Depoitre, mas sim o próprio presidente do clube e da SAD, Jorge Nuno Pinto da Costa, a quem bastou um empate caseiro do Benfica e os 12 milhões já garantidos da Liga dos Campeões para recuperar o dom da palavra. Foi a Roma e voltou Papa. 

E de que falou ele, neste seu sensacional regresso à vida quotidiana a poucos dias de ir jogar com o Sporting? Falou do Benfica, naturalmente. E de árbitros, menos naturalmente. Porque é impossível ouvir Pinto da Costa falar de árbitros sem nos lembramos dele, precisamente, a falar com árbitros prestando aconselhamento matrimonial aos seus familiares biológicos. 

Está, assim, montado um ambiente escaldante para o clássico de amanhã. Será um Sporting-Porto estimulado dos dois lados pelo excesso de confiança no colapso do Benfica, o que não deixa de ser um grande exagero. 

Nem o Benfica vai levar com o árbitro Manuel de Oliveira nas 32 jornadas que faltam, nem o Sporting vai levar com o árbitro representante oficial da sua marca de equipamentos nas mesmas 32 jornadas que faltam, nem o Porto vai apanhar com o árbitro polaco de Roma em todos os jogos até ao fim do campeonato dos portugueses. Haja comedimento. 



Outras histórias 
Displicência do Benfica e moscas 
"Tetra" devia ser uma palavra proibida no Estádio da Luz 
Não fosse a Telma Monteiro e a comitiva olímpica portuguesa teria regressado do Rio de Janeiro sem medalhas – embora carregada de diplomas (bem bom!) – e se não fosse a mesmíssima Telma Monteiro os adeptos do Benfica que encheram a Luz no domingo teriam abandonado o recinto sem um único motivo para sorrir depois de uma exibição displicente da sua equipa e de uma atuação nada displicente do árbitro da partida com o Vitória de Setúbal. 

Telma surgiu nos ecrãs do estádio, minutos antes do início do jogo, para incentivar o público da casa – da sua casa, acrescente-se – a incentivar a equipa de Rui Vitória a incentivar o próprio Rui Vitória e por aí adiante numa lógica de incentivos sem fim… A ideia foi excelente mas não resultou no pretendido. Com o cenário da Cidade Maravilhosa às costas, a campeã de judo terminou com um "rumo ao tetra!" que empolgou as bancadas mas não chegou ao relvado. Aliás, "tetra" devia ser uma palavra proibida na Luz. Por causa das moscas. 



Sobe e Desce 
Sobe 
Três em Roma - Pinto da Costa 
Dar três em Roma não é para qualquer um. E, assim, seguiu alegremente o Porto para o sorteio da Liga dos Campeões, que é logo outra louça. E com muito mérito 


Desce 
Não é inquebrável - Maxi Pereira 
O afinal não-inquebrável uruguaio que deliciou a Luz e delicia agora o Dragão viu-se abalroado na Cidade Eterna (como ele) por um De Rossi que acabou expulso. 

Multa à vista - Duarte Gomes 
Por ter afirmado na SIC que o golo do Vitória na Luz foi obtido em posição irregular, o comentador Duarte Gomes pode vir a ser multado pela Liga de Clubes. 


Pérola 
"Ó Manuel, tens alguma coisa contra mim?", Rui Vitória


Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: