sábado, fevereiro 20, 2016

Benfica é a melhor cura

Com aquela alma caridosa que o personifica e distingue dos demais rivais figadais e até dos simples adversários, o Benfica consentiu uma derrota em casa com um Porto que entrou em campo a meia dúzia de pontos de distância do campeão e de lá saiu com a desvantagem reduzida a metade graças à noite de má pontaria de Jonas, Mitroglou & Companhia. Ou, se preferirem, graças à prestação de Iker Casillas, que resolveu eleger o Estádio da Luz como santuário para a sua periclitante reputação. Casillas já tinha contribuído na Luz para a conquista da 10ª Liga dos Campeões do Real Madrid, não há muito tempo. E voltou à Luz para defender tudo o que lhe apareceu pela frente. Até um potentíssimo alívio-remate do defesa-central Martins Indi, do FC Porto, só não resultou no autogolo do século porque Casillas, a quem José Peseiro há coisa de dois anos vaticinou reforma urgente, voou em grande estilo e não deixou a bola entrar. 

José Peseiro, aliás, merecia uma alegria destas. Trata-se de um treinador competente que já esteve a um passo de ser campeão de Portugal e vencedor da Taça UEFA. É também um sujeito corajoso. É certo que não lhe passou pela cabeça vir a ter o guarda-redes em causa na sua equipa quando antecipou "o fim de Casillas" em 2014. Já a decisão de lançar o jovem Chidozie no último "clássico" foi definidora de um treinador sem medos. 

Neste momento particular, há grande comunhão de ideias entre a massa adepta do Porto e o seu atual treinador porque nem os portistas na bancada nem o treinador no banco entendem a política que permitiu a demoradíssima agonia de Julen Lopetegui. E há até quem entenda o desabafo de Peseiro – "não nos deixaram depender só de nós" – não como uma crítica ao árbitro do jogo com o Arouca mas como um reparo público pela lentidão de processos do presidente do clube. 

O próprio presidente do clube inclina-se agora não só a dar razão aos sentimentos gerais anti-Lopetegui, como também a vincar que nada teve a ver com o assunto. "Só quem estiver distraído é que não vê que a equipa está totalmente diferente", proclamou Pinto da Costa mal aterrou na Alemanha a meio da semana. E logo ele, que tão distraído andou meses a fio. Mas não se pense que está a embirrar com o basco deposto, não está. Pinto da Costa se falou foi porque tinha de dizer qualquer coisa tendo em conta que o Porto ganhou na Luz há uma semana. É que não há melhor e mais eficaz remédio do que uma vitória frente ao Benfica para despertar da sua letargia aquela consabida e já tão arredada converseta. 



Outras histórias: 
Sobre a braçadeira do Benfica 
Como despromover o imperador a simples capitão de equipa? 
Na ausência de Luisão, o capitão do Benfica é Gaitán, que tem merecido a distinção. Ainda na terça-feira o vimos, com enorme eficácia, roubando uma bola a Hulk, que ameaçava escapar-se pelo corredor direito do ataque do Zenit. O tal capitão Gaitán apareceu a suprir a ausência de Eliseu e Hulk não teve melhor remédio do que meter a viola no saco. É assim este Gaitán. Tanto nos pode surpreender no lugar do defesa-esquerdo auxiliando a equipa a defender, como pode resolver um jogo num segundo com um centro que é meio golo. Foi o que aconteceu no jogo com os russos. Livre de Gaitán e golo de Jonas. É por estas coisas que lhe fica bem a braçadeira. No entanto, o verdadeiro capitão do Benfica não é ele. É Júlio César. Bastou vê-lo na terça- -feira a dar ânimo abraçado aos colegas no centro do terreno antes de o jogo começar para se adivinhar quem, na verdade, tem o dom do comando na Luz. A questão é que não é fácil despromover um imperador a simples capitão de equipa. 



Sobe e Desce 
Sobe Colinho - Charters para a Luz 
Um animado grupo de adeptos chineses do Benfica festeja o golo de Jonas e dá razão a Futre, que já nos tinha avisado que o futuro desta indústria está a Oriente.  

Bryan Ruiz - Um gesto bonito 
Não foi a sua melhor exibição da temporada mas esteve muito bem no prelúdio do jogo com o Leverkusen, cobrindo com o seu próprio blusão uma criança friorenta. 


Desce Iker Casillas - Estreia com registo 
E pronto, aconteceu finalmente. Iker Casillas, já em idade madura, estreou-se a jogar na Liga Europa e estreou-se  também a sofrer golos na Liga Europa. 

Pérola 
"Para o José Eduardo falar de futebol é difícil. Se fosse de croquetes...", Diamantino Miranda


Fonte: Leonor Pinhão @ correio da manha

Sem comentários: