sábado, maio 03, 2014

A muitos fica bem

Mesmo os que o 25 de Abril apanhou a dormir, estavam a dormir revolucionariamente

A celebração dos 40 anos do 25 de Abril descobriu um número surpreendente de revolucionários. Gente que revela agora ter estado na clandestinidade, embora tenha mantido o facto clandestino durante quatro décadas. Ou que diz ter conspirado contra a ditadura, apesar de a conspiração ter permanecido secreta até hoje. Todos se arriscaram pela liberdade. Todos levaram a cabo uma actividade bastante subversiva, que os coloca apenas um degrau abaixo de Salgueiro Maia, na luta para derrubar o fascismo (eu digo fascismo. Isso do autoritarismo conservador é uma mariquice moderna). Todos distribuíram panfletos, compraram discos em segredo, uma vez deram boleia a um anti-fascista (o anti-fascismo, curiosamente, resistiu melhor que o fascismo. O anti-autoritarismo conservador nunca pegou). Mesmo os que o 25 de Abril apanhou a dormir, estavam a dormir revolucionariamente. Chega a parecer estranho que, num país em que toda a gente amava a liberdade, a ditadura tenha conseguido durar quase 50 anos. Nem uma pessoa confessa que até estava bastante bem instalada na vida e que nada a movia contra o Estado Novo. Com excepção, talvez, de Cavaco Silva. Honra lhe seja feita, porque não pretende convencer ninguém de que é apreciador da liberdade e da democracia.

Como é evidente, fico à margem de todas estas conversas. Infelizmente, nasci três dias depois do 25 de Abril, e não tenho um passado de luta e resistência para apresentar. Ou, pelo menos, era o que eu pensava. As histórias que tenho ouvido inspiraram-me a criar a minha própria narrativa de combate ao fascismo, toda ela verdadeira. Ora escutem. Passei os nove meses que antecederam o 25 de Abril na clandestinidade. E, também, preso. Na solitária. A cela era húmida, escura, e a comida parecia-me já ter sido mastigada. Resisti como pude a essa longa noite de fascismo e, quando o 25 de Abril chegou, foi como se eu tivesse nascido. A festa foi bonita, mas o fascismo mostrou a sua feia carranca até ao fim: mesmo à saída da prisão, ainda fui agredido, com umas palmadas. E confesso que chorei. Mais de choque e raiva do que de dor, mas chorei. Escuso de dizer que a minha vida, após o 25 de Abril, não tem nada a ver com o que era antes. É uma diferença radical, do dia para a noite. Foi como se tivesse finalmente aberto os olhos. Portanto, e à semelhança de tanta gente que, 40 anos depois, descobriu que lutou e sofreu pela liberdade, também eu passo a ter uma história impressionante de resistência ao fascismo.

Jovens de hoje, desfrutem à vontade da liberdade pela qual eu lutei. Não têm nada que agradecer.


Fonte: Ricardo Araújo Pereira @Visão

Sem comentários: