sexta-feira, maio 24, 2013

Liga MX - La Quinta del Fútbol

Haver mais no México que sombreros, tequilas ou pirâmides aztecas é tão fácil de compreender como dizer que houve vida futebolística pós-Hugo Sanchéz, porventura o melhor jogador mexicano de todos os tempos. Ainda o há. Diego Reyes, por exemplo, será jogador do Futebol Clube do Porto. E, se nos anos 70, as escolas do Pumas davam à luz um goleador intratável, 40 anos depois continuam a ser formados jogadores de possível nível mundial em grandes escolas como a do Pumas, a do América ou a do Chivas. E, se não interessa para o caso falar de nomes como Giovanni e Jonathan dos Santos (aos quais há um misto de oportunidades não dadas e oportunidades não agarradas), Guardado, Vela, Chicharito ou Hector Moreno cujas qualidades são indiscutíveis, olhamos antes para a Liga MX como um possível mercado de interesse acrescido para os clubes portugueses. É relativamente barata, não está tão inflacionada quanto a liga Argentina ou Brasileira, tem jogadores talentosos saídos de formações bem estabelecidas (como demonstra o sucesso recente em Mundiais jovens e mesmo nos JO) e com vontade de se mostrar à Europa. Assim, estes são 10 jogadores para os quais os clubes portugueses deveriam olhar:

Jefferson Montero: Extremo equatoriano do Monarcas, 23 anos. Capacidade para jogar tanto do lado esquerdo como do direito, em função da sua capacidade em jogar com ambos os pés. Rápido, ágil, virtuoso, criativo e imprevisível, já com passagens por Villareal, Bétis e Levante.

Erick Torres: Ponta de lança do Chivas, 20 anos. Podia estar aqui Carlos Fierro. Mas Fierro tem 17 anos e não pode, ainda, sair do país. Voltando a Erick Torres. Um dos mais excitantes avançados mexicanos desde Sanchez. Rápido, móvel, bom finalizador, de grande capacidade técnica, numa óbvia similaridade com Chicharito sendo, ainda assim, mais alto que o avançado do United – que o torna mais perigoso no jogo aéreo portanto, apesar de não ser um “pinheiro”, um Jared Borghetti.

César Ibáñez: Lateral direito do Santos Laguna, 21 anos. Ibáñez joga pelo lado direito mas tem a polivalência necessária que o possibilite a jogar também como lateral esquerdo, ou no meio campo. Tinha 18 anos quando se estreou na primeira divisão mexicana e já chegou a rejeitar o Valladolid. Ibáñez é um lateral extremamente confiável, com um bom sentido posicional, forte tacticamente e que defende bem, além de garantir profundidade ao seu flanco.

Alan Pulido: Avançado do Tigres, 22 anos. Talvez não seja tão excitante, ou interessante, quanto Fierro ou Torres, mas Pulido merece o seu destaque. Diferencia-se dos demais pela sua maior polivalência. Não é propriamente rápido, mas tem uma técnica bastante apurada que o permite jogar como avançado, médio ofensivo ou extremo. Boa capacidade de antecipação e um trabalhador nato em campo, parece estar sempre no sítio certo à hora certa.

Hector Herrera: Médio centro do Pachuca, 23 anos. Confirmado no Porto, ou talvez não. Até à confirmação oficial, fica o destaque. Tido como o novo Galindo (que, sendo El Maestro, já dá para ter uma noção do que é Herrera), Herrera é um box-to-box completo que tem tanto de trinco como de número 10. El Zorrillo, a raposa, foi considerado o melhor jogador do Torneio de Toulon em 2012 e do Abertura 2011. Uma estrela.

Antonio Briseño: Defesa Central do Atlas, 19 anos. Capitan Briseño. Um autêntico líder e patrão de qualquer defesa. Capitão do México campeão do Mundo de Sub-17 em 2011. Rápido QB, tem a sua mais-valia no seu sentido posicional e táctico, sendo bastante forte na marcação e na liderança que instaura em campo. Um verdadeiro capitão.

Jesus Corona: Extremo Direito do Monterrey, 20 anos. O extremo puro, clássico. O extremo de ir à linha e cruzar, como deve ser, e que ainda finaliza como muitos avançados não sabem. Rápido, ligeiro, de grande técnica.

Jorge Enriquez: Trinco do Chivas, 22 anos. O verdadeiro trinco sul americano. Um daqueles jogadores que mordem os calcanhares de qualquer criativo adversário durante 90 minutos e mais minutos houvessem. Incansável, determinado, rápido, agressivo e grande capacidade de desarme, concentração e antecipação.

Carlos Alberto Peña: Médio Centro do León, 23 anos. O maior destaque da boa e surpreendente campanha do León no Abertura 2012. Box to Box, instalou-se como o motor do León. Marcou, assistiu e travou adversários. Resistente, boa meia distância, incansável durante 90 minutos.

Raúl Jimenez: Ponta de Lança do América, 22 anos. O avançado completo. É rápido, é forte, tem técnica, é agressivo, finaliza bem, joga bem de cabeça, tem 1.90m. O par perfeito para um avançado mais móvel num esquema com dois avançados ou o jogador ideal para plantar na área como jogador alvo.


Fonte:  Visão de Mercado 

Sem comentários: